Casos de COVID-19
  • USA 33,418,826
    USA
    Confirmados: 33,418,826
    Ativos: 6,499,158
    Recuperados: 26,324,757
    Óbitos: 594,911
  • India 21,892,676
    India
    Confirmados: 21,892,676
    Ativos: 3,723,446
    Recuperados: 17,930,960
    Óbitos: 238,270
  • Brazil 15,087,360
    Brazil
    Confirmados: 15,087,360
    Ativos: 1,027,489
    Recuperados: 13,640,478
    Óbitos: 419,393
  • France 5,747,214
    France
    Confirmados: 5,747,214
    Ativos: 823,825
    Recuperados: 4,817,288
    Óbitos: 106,101
  • UK 4,431,043
    UK
    Confirmados: 4,431,043
    Ativos: 61,253
    Recuperados: 4,242,192
    Óbitos: 127,598
  • Italy 4,092,747
    Italy
    Confirmados: 4,092,747
    Ativos: 397,564
    Recuperados: 3,572,713
    Óbitos: 122,470
  • Spain 3,567,408
    Spain
    Confirmados: 3,567,408
    Ativos: 240,606
    Recuperados: 3,248,010
    Óbitos: 78,792
  • Argentina 3,118,134
    Argentina
    Confirmados: 3,118,134
    Ativos: 273,360
    Recuperados: 2,777,902
    Óbitos: 66,872
  • Peru 1,839,465
    Peru
    Confirmados: 1,839,465
    Ativos: 55,281
    Recuperados: 1,720,665
    Óbitos: 63,519
  • Chile 1,235,778
    Chile
    Confirmados: 1,235,778
    Ativos: 38,337
    Recuperados: 1,170,437
    Óbitos: 27,004
  • Paraguay 294,233
    Paraguay
    Confirmados: 294,233
    Ativos: 44,344
    Recuperados: 242,915
    Óbitos: 6,974
  • Uruguay 216,146
    Uruguay
    Confirmados: 216,146
    Ativos: 25,961
    Recuperados: 187,153
    Óbitos: 3,032
  • China 90,746
    China
    Confirmados: 90,746
    Ativos: 300
    Recuperados: 85,810
    Óbitos: 4,636
Notícias

Estudante egressa da Fiocruz Bahia integra equipe que sequenciou o genoma do coronavírus

O resultado do sequenciamento do genoma do novo coronavírus no Brasil foi publicado no dia 28 de fevereiro, 48h após a confirmação dos dois primeiros casos da Covid-19 em território nacional. O estudo, liderado por pesquisadores do Instituto Adolfo Lutz (IAL) e do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP), teve como uma de suas coordenadoras, Jaqueline Goes. A biomédica baiana realiza pós-doutorado, no IMT-USP, sob supervisão da pesquisadora Ester Cerdeira Sabino. 

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é W00A10092-1024x924.jpg
Jaqueline Góes na premiação do Prêmio Gonçalo Moniz de Pós-Graduação, na Fiocruz Bahia.

Para realização do sequenciamento, a equipe utilizou a tecnologia MinION, um pequeno aparelho onde a amostra do paciente é depositada e o resultado da leitura é exibido na tela de um computador, em tempo real. A descoberta das mutações, realizada graças ao sequenciamento, será estudada para verificar se há alguma influência na taxa de mortalidade, além de auxiliar no desenvolvimento de vacinas e testes diagnósticos mais rápidos.

Jaqueline Goes teve o seu primeiro contato com a tecnologia MinION durante o doutorado pelo programa de Pós-Graduação em Patologia (PgPAT), da Universidade Federal da Bahia (UFBA) em parceria com a Fiocruz Bahia, quando foi convidada por seu orientador, o pesquisador da Fiocruz Luiz Alcântara, para o projeto de sequenciamento do vírus Zika. A pesquisa integrava o Projeto ZIBRA – Zika in Brazil Real Time Analisys, uma parceria entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros, com a meta de sequenciar mil genomas do vírus para obter informações epidemiológicas importantes sobre a disseminação da doença no país. 

A pesquisa trouxe vasta experiência para a estudante que, em seguida, passou a integrar o pós-doutorado da USP e o grupo de pesquisa responsável pelo sequenciamento do coronavírus. “As informações genéticas geradas nos nossos estudos não são apenas do coronavírus, mas também de dengue, chikungunya e outros vírus cujos surtos já cobrimos, como zika e febre amarela. Esses dados podem ajudar, principalmente no início da epidemia, para direcionar ações de saúde pública, identificando os focos a partir dos quais se deu a transmissão e tomando as medidas de precaução, com o isolamento de lugares públicos”, conta Jaqueline.

A pesquisadora destaca ainda que a repercussão da descoberta acende a esperança de novos investimentos em saúde pública, incluindo as pesquisas. Para ela, este é um marco que pode lembrar para a sociedade a importância da ciência. 

“Dada a importância de contermos a emergência de epidemias, investir em pesquisas cujos resultados impactam diretamente a saúde pública é investir também no bem-estar da população geral, isso inclui não apenas o financiamento de projetos, como também, e principalmente, a manutenção das bolsas de pesquisa dos estudantes que são a força-motriz da ciência brasileira”, comenta.

Sobre Jaqueline Goes

Jaqueline Góes de Jesus é graduada em Biomedicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, mestre pelo Programa de Pós-graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa (PgBSMI) da Fiocruz Bahia e doutora pelo Programa de Pós-graduação Patologia (PgPAT), da Universidade Federal da Bahia em ampla associação com a Fiocruz Bahia.

Em 2019, Jaqueline teve sua tese de doutorado premiada com o primeiro lugar no Prêmio Gonçalo Moniz de Pós-Graduação, na categoria Egresso e representou o PgPAT, no XIII Encontro de Pós-Graduação das Áreas de Medicina I, II e III da CAPES, tendo também recebido o prêmio de Melhor Trabalho de Tese, concedido pela banca avaliadora, composta pelos coordenadores das três áreas da Medicina.  A tese gerou publicações em revistas científicas de alto impacto, como Nature e Science. 

O trabalho de sequenciamento do genoma do novo coronavírus em tempo recorde, realizado no Instituto de Medicina Tropical de São Paulo – Universidade de São Paulo (IMT-USP), teve uma grande repercussão no meio científico e sociedade, com ampla divulgação nas mídias e redes de comunicação.