Casos de COVID-19
  • USA 13,137,829
    USA
    Confirmados: 13,137,829
    Ativos: 5,064,388
    Recuperados: 7,805,225
    Óbitos: 268,216
  • India 9,266,697
    India
    Confirmados: 9,266,697
    Ativos: 453,450
    Recuperados: 8,677,986
    Óbitos: 135,261
  • Brazil 6,166,898
    Brazil
    Confirmados: 6,166,898
    Ativos: 483,252
    Recuperados: 5,512,847
    Óbitos: 170,799
  • France 2,170,097
    France
    Confirmados: 2,170,097
    Ativos: 1,962,927
    Recuperados: 156,552
    Óbitos: 50,618
  • Spain 1,622,632
    Spain
    Confirmados: 1,622,632
    Ativos: 1,578,595
    Recuperados: ?
    Óbitos: 44,037
  • UK 1,557,007
    UK
    Confirmados: 1,557,007
    Ativos: 1,500,474
    Recuperados: ?
    Óbitos: 56,533
  • Italy 1,480,874
    Italy
    Confirmados: 1,480,874
    Ativos: 791,697
    Recuperados: 637,149
    Óbitos: 52,028
  • Argentina 1,390,388
    Argentina
    Confirmados: 1,390,388
    Ativos: 135,390
    Recuperados: 1,217,284
    Óbitos: 37,714
  • Peru 954,459
    Peru
    Confirmados: 954,459
    Ativos: 33,985
    Recuperados: 884,747
    Óbitos: 35,727
  • Chile 544,092
    Chile
    Confirmados: 544,092
    Ativos: 8,774
    Recuperados: 520,180
    Óbitos: 15,138
  • China 86,469
    China
    Confirmados: 86,469
    Ativos: 305
    Recuperados: 81,530
    Óbitos: 4,634
  • Paraguay 78,878
    Paraguay
    Confirmados: 78,878
    Ativos: 21,162
    Recuperados: 56,025
    Óbitos: 1,691
  • Uruguay 4,988
    Uruguay
    Confirmados: 4,988
    Ativos: 992
    Recuperados: 3,923
    Óbitos: 73
Notícias

Estudante egressa da Fiocruz Bahia integra equipe que sequenciou o genoma do coronavírus

O resultado do sequenciamento do genoma do novo coronavírus no Brasil foi publicado no dia 28 de fevereiro, 48h após a confirmação dos dois primeiros casos da Covid-19 em território nacional. O estudo, liderado por pesquisadores do Instituto Adolfo Lutz (IAL) e do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP), teve como uma de suas coordenadoras, Jaqueline Goes. A biomédica baiana realiza pós-doutorado, no IMT-USP, sob supervisão da pesquisadora Ester Cerdeira Sabino. 

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é W00A10092-1024x924.jpg
Jaqueline Góes na premiação do Prêmio Gonçalo Moniz de Pós-Graduação, na Fiocruz Bahia.

Para realização do sequenciamento, a equipe utilizou a tecnologia MinION, um pequeno aparelho onde a amostra do paciente é depositada e o resultado da leitura é exibido na tela de um computador, em tempo real. A descoberta das mutações, realizada graças ao sequenciamento, será estudada para verificar se há alguma influência na taxa de mortalidade, além de auxiliar no desenvolvimento de vacinas e testes diagnósticos mais rápidos.

Jaqueline Goes teve o seu primeiro contato com a tecnologia MinION durante o doutorado pelo programa de Pós-Graduação em Patologia (PgPAT), da Universidade Federal da Bahia (UFBA) em parceria com a Fiocruz Bahia, quando foi convidada por seu orientador, o pesquisador da Fiocruz Luiz Alcântara, para o projeto de sequenciamento do vírus Zika. A pesquisa integrava o Projeto ZIBRA – Zika in Brazil Real Time Analisys, uma parceria entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros, com a meta de sequenciar mil genomas do vírus para obter informações epidemiológicas importantes sobre a disseminação da doença no país. 

A pesquisa trouxe vasta experiência para a estudante que, em seguida, passou a integrar o pós-doutorado da USP e o grupo de pesquisa responsável pelo sequenciamento do coronavírus. “As informações genéticas geradas nos nossos estudos não são apenas do coronavírus, mas também de dengue, chikungunya e outros vírus cujos surtos já cobrimos, como zika e febre amarela. Esses dados podem ajudar, principalmente no início da epidemia, para direcionar ações de saúde pública, identificando os focos a partir dos quais se deu a transmissão e tomando as medidas de precaução, com o isolamento de lugares públicos”, conta Jaqueline.

A pesquisadora destaca ainda que a repercussão da descoberta acende a esperança de novos investimentos em saúde pública, incluindo as pesquisas. Para ela, este é um marco que pode lembrar para a sociedade a importância da ciência. 

“Dada a importância de contermos a emergência de epidemias, investir em pesquisas cujos resultados impactam diretamente a saúde pública é investir também no bem-estar da população geral, isso inclui não apenas o financiamento de projetos, como também, e principalmente, a manutenção das bolsas de pesquisa dos estudantes que são a força-motriz da ciência brasileira”, comenta.

Sobre Jaqueline Goes

Jaqueline Góes de Jesus é graduada em Biomedicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, mestre pelo Programa de Pós-graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa (PgBSMI) da Fiocruz Bahia e doutora pelo Programa de Pós-graduação Patologia (PgPAT), da Universidade Federal da Bahia em ampla associação com a Fiocruz Bahia.

Em 2019, Jaqueline teve sua tese de doutorado premiada com o primeiro lugar no Prêmio Gonçalo Moniz de Pós-Graduação, na categoria Egresso e representou o PgPAT, no XIII Encontro de Pós-Graduação das Áreas de Medicina I, II e III da CAPES, tendo também recebido o prêmio de Melhor Trabalho de Tese, concedido pela banca avaliadora, composta pelos coordenadores das três áreas da Medicina.  A tese gerou publicações em revistas científicas de alto impacto, como Nature e Science. 

O trabalho de sequenciamento do genoma do novo coronavírus em tempo recorde, realizado no Instituto de Medicina Tropical de São Paulo – Universidade de São Paulo (IMT-USP), teve uma grande repercussão no meio científico e sociedade, com ampla divulgação nas mídias e redes de comunicação.