Casos de COVID-19
  • USA 13,137,829
    USA
    Confirmados: 13,137,829
    Ativos: 5,064,388
    Recuperados: 7,805,225
    Óbitos: 268,216
  • India 9,266,697
    India
    Confirmados: 9,266,697
    Ativos: 453,450
    Recuperados: 8,677,986
    Óbitos: 135,261
  • Brazil 6,166,898
    Brazil
    Confirmados: 6,166,898
    Ativos: 483,252
    Recuperados: 5,512,847
    Óbitos: 170,799
  • France 2,170,097
    France
    Confirmados: 2,170,097
    Ativos: 1,962,927
    Recuperados: 156,552
    Óbitos: 50,618
  • Spain 1,622,632
    Spain
    Confirmados: 1,622,632
    Ativos: 1,578,595
    Recuperados: ?
    Óbitos: 44,037
  • UK 1,557,007
    UK
    Confirmados: 1,557,007
    Ativos: 1,500,474
    Recuperados: ?
    Óbitos: 56,533
  • Italy 1,480,874
    Italy
    Confirmados: 1,480,874
    Ativos: 791,697
    Recuperados: 637,149
    Óbitos: 52,028
  • Argentina 1,390,388
    Argentina
    Confirmados: 1,390,388
    Ativos: 135,390
    Recuperados: 1,217,284
    Óbitos: 37,714
  • Peru 954,459
    Peru
    Confirmados: 954,459
    Ativos: 33,985
    Recuperados: 884,747
    Óbitos: 35,727
  • Chile 544,092
    Chile
    Confirmados: 544,092
    Ativos: 8,774
    Recuperados: 520,180
    Óbitos: 15,138
  • China 86,469
    China
    Confirmados: 86,469
    Ativos: 305
    Recuperados: 81,530
    Óbitos: 4,634
  • Paraguay 78,878
    Paraguay
    Confirmados: 78,878
    Ativos: 21,162
    Recuperados: 56,025
    Óbitos: 1,691
  • Uruguay 4,988
    Uruguay
    Confirmados: 4,988
    Ativos: 992
    Recuperados: 3,923
    Óbitos: 73
Notícias

A pesquisa vai analisar a evolução da infecção através da dinâmica de produção de anticorpos

Natália Tavares, pesquisadora da Fiocruz Bahia, é uma das coordenadoras do projeto.

Um estudo realizado por pesquisadores da Fiocruz Bahia vai analisar a evolução da infecção pelo novo coronavírus através da dinâmica da produção de anticorpos durante o curso da doença e da identificação do perfil de citocinas, que são moléculas envolvidas na indução das diferentes subclasses destes anticorpos. Além disso, os cientistas vão observar como as células de defesa reconhecem as proteínas do SARS-CoV-2.

A pesquisa teve início no final do mês de julho e pretende avaliar 300 pessoas no total. Os pacientes estão sendo selecionados a partir da parceria com o Hospital Ernesto Simões, durante a fase aguda da doença, e o Hospital Otávio Mangabeira, na fase convalescente, onde os pacientes terão retorno periódico no Centro Pós-Covid. Fazem parte do estudo aqueles que têm confirmação do diagnóstico de coronavírus através do exame RT-PCR ou quadro clínico fortemente suspeito da doença (tomografia de tórax sugestiva de pneumonia viral).

A pesquisadora da Fiocruz Bahia, Natalia Tavares, uma das coordenadoras da pesquisa, explica que, diante da emergência causada pela Covid-19, desvendar a duração e o papel da resposta imune é fundamental para o controle da pandemia e também para o desenvolvimento de uma vacina.

Estudar estes perfis de citocinas poderão trazer dados que serão aplicados como indicadores de prognóstico, indicando precocemente pacientes que podem evoluir para a forma grave da doença e auxiliando, dessa forma, o manejo clínico preventivo.

“Além disso, é fundamental identificar esses perfis na população local, uma vez que co-infecções com doenças endêmicas da nossa região podem causar alterações no perfil de resposta imune em comparação ao observado em outras populações”, acrescentou a pesquisadora.

Essas citocinas estimulam a produção de anticorpos da imunidade humoral, um tipo de resposta imune. Segundo a pesquisadora, no caso específico do SARS-CoV-2, muito tem se discutido sobre a capacidade de neutralização do vírus através dos anticorpos, mas o conhecimento sobre as demais funções da resposta dos anticorpos ainda é incipiente.

“Tratando especificamente da aplicação clínica na Covid-19, os indicadores de prognóstico são fundamentais para o manejo e cuidado precoces de pacientes que podem evoluir para o quadro grave da doença”, explicou Natália.