Casos de COVID-19
  • USA 35,745,024
    USA
    Confirmados: 35,745,024
    Ativos: 5,449,592
    Recuperados: 29,666,117
    Óbitos: 629,315
  • India 31,655,824
    India
    Confirmados: 31,655,824
    Ativos: 410,919
    Recuperados: 30,820,521
    Óbitos: 424,384
  • Brazil 19,917,855
    Brazil
    Confirmados: 19,917,855
    Ativos: 741,876
    Recuperados: 18,619,542
    Óbitos: 556,437
  • France 6,127,019
    France
    Confirmados: 6,127,019
    Ativos: 314,380
    Recuperados: 5,700,772
    Óbitos: 111,867
  • UK 5,856,528
    UK
    Confirmados: 5,856,528
    Ativos: 1,218,224
    Recuperados: 4,508,650
    Óbitos: 129,654
  • Argentina 4,929,764
    Argentina
    Confirmados: 4,929,764
    Ativos: 254,491
    Recuperados: 4,569,552
    Óbitos: 105,721
  • Spain 4,447,044
    Spain
    Confirmados: 4,447,044
    Ativos: 654,358
    Recuperados: 3,711,200
    Óbitos: 81,486
  • Italy 4,350,028
    Italy
    Confirmados: 4,350,028
    Ativos: 87,285
    Recuperados: 4,134,680
    Óbitos: 128,063
  • Peru 2,111,393
    Peru
    Confirmados: 2,111,393
    Ativos: 1,915,040
    Recuperados: ?
    Óbitos: 196,353
  • Chile 1,615,771
    Chile
    Confirmados: 1,615,771
    Ativos: 9,831
    Recuperados: 1,570,492
    Óbitos: 35,448
  • Paraguay 452,388
    Paraguay
    Confirmados: 452,388
    Ativos: 17,376
    Recuperados: 420,031
    Óbitos: 14,981
  • Uruguay 381,517
    Uruguay
    Confirmados: 381,517
    Ativos: 2,072
    Recuperados: 373,481
    Óbitos: 5,964
  • China 93,005
    China
    Confirmados: 93,005
    Ativos: 1,022
    Recuperados: 87,347
    Óbitos: 4,636
Notícias

Pesquisadora explica como funciona a imunização em pessoas que foram infectadas por Covid-19

O tema da imunidade para o novo coronavírus tem sido um dos assuntos discutidos em meio a pandemia, uma vez que a vacina ainda não está disponível e algumas pessoas têm depositado na imunidade adquirida após a infecção da Covid-19 a esperança para que a vida volte ao normal aos poucos. Algumas questões têm sido alvo de debate científico: seria possível alcançar a chamada imunidade de rebanho? E a imunidade após a infecção, ela é duradoura? 

“O distanciamento social é a única medida que temos enquanto uma vacina não é produzida”, afirma Fernanda Grassi, pesquisadora da Fiocruz Bahia.

Para compreender como a imunidade funciona nos casos de Covid-19 é preciso entender o que acontece no corpo ao ser infectado. A médica imunologista e pesquisadora da Fiocruz Bahia, Fernanda Grassi, explica que na infecção por um vírus há inicialmente uma resposta imune inata do organismo: o vírus infecta uma célula e o organismo passa a produzir uma proteína para interferir na sua multiplicação e estimular a atividade de defesa de outras células. Isso cria um estado “antiviral”, que tenta impedir que haja infecção das células vizinhas. 

No caso da Covid-19, o pulmão é infectado pelo coronavírus e essa infecção levará a uma resposta imune protetora que ocorre com o processo de destruição da célula infectada e a inativação do vírus por anticorpos neutralizantes, capazes de impedir uma nova infecção pelo mesmo vírus. Os anticorpos para Sars-CoV-2 podem ser detectados em exame cerca de 10 dias após a infecção. 

Até o momento, o que se sabe sobre a imunidade para Covid-19 é que mais de 80% dos indivíduos que foram infectados pelo novo coronavírus têm anticorpos neutralizantes e já se sabe que títulos maiores de anticorpos estão relacionados à maior gravidade da doença. 

A pesquisadora compara dados das infecções anteriores por SARS-CoV-1, em 2002, e MERS-CoV, em 2012, com o que já foi descoberto na pandemia de SARS-COV-2. O pico de proteção dos infectados nas epidemias do passado foi de três a seis meses após a exposição ao vírus, com diminuição em cerca de 16 meses. Cerca de seis anos após essas infecções, menos de 10% das pessoas ainda tinham anticorpos para esses vírus.

Para Sars-CoV-2, na fase aguda da doença, há um maior nível de anticorpos em indivíduos sintomáticos do que assintomáticos, persistindo na fase de recuperação até três meses após a exposição ao vírus. Após esse período, ocorreu uma diminuição dos níveis de anticorpos nestes indivíduos e cerca de 40% dos indivíduos assintomáticos apresentaram uma negativação, não sendo possível mais detectar anticorpos pelos métodos atuais de testagem.

Imunidade de rebanho e vacina

A chamada ‘imunidade de rebanho’ ou ‘imunidade de grupo’ ocorre quando uma parte da população possui anticorpos contra uma doença e acaba protegendo outra parte que não possui anticorpos, pois a imunidade dessa parcela faz com que diminua a circulação do vírus na população. No caso do SARS-CoV-2 acredita-se que seja necessário que entre 40% e 70% da população esteja imune à doença, seja pela infecção natural ou vacinação, para obter a imunidade de grupo. 

Fernanda aponta que um levantamento, feito entre 14 e 21 de maio, mostrou que as 15 cidades brasileiras com maior soroprevalência ainda estão bem longe desse número de imunidade de grupo, a maior sendo em Belém, no Pará, com 15%. “Para alcançar a porcentagem estimada para imunidade de grupo, nós teríamos uma proporção de mortes muito alta, então o distanciamento social é a única medida que temos enquanto uma vacina não é produzida”, explicou a pesquisadora.

A cientista ressaltou que é preciso que a vacina leve a uma produção de anticorpos neutralizantes para que seja eficaz contra o vírus. Até o dia 28 de julho, havia mais de 190 candidatas à vacina sendo estudadas e seis delas se encontram na fase de testes em humanos. Como até o momento ainda não foi possível caracterizar a resposta imune protetora mais importante, essas vacinas estão sendo feitas através de apostas na melhor forma de proteger o indivíduo, em tempo recorde. 

“Eu espero que elas funcionem, mesmo que estejam pulando várias etapas para desenvolver uma vacina, porque muita gente está morrendo e precisamos dar uma resposta rápida a essa pandemia”, concluiu a pesquisadora.