Casos de COVID-19
  • USA 35,745,024
    USA
    Confirmados: 35,745,024
    Ativos: 5,449,592
    Recuperados: 29,666,117
    Óbitos: 629,315
  • India 31,655,824
    India
    Confirmados: 31,655,824
    Ativos: 410,919
    Recuperados: 30,820,521
    Óbitos: 424,384
  • Brazil 19,917,855
    Brazil
    Confirmados: 19,917,855
    Ativos: 741,876
    Recuperados: 18,619,542
    Óbitos: 556,437
  • France 6,127,019
    France
    Confirmados: 6,127,019
    Ativos: 314,380
    Recuperados: 5,700,772
    Óbitos: 111,867
  • UK 5,856,528
    UK
    Confirmados: 5,856,528
    Ativos: 1,218,224
    Recuperados: 4,508,650
    Óbitos: 129,654
  • Argentina 4,929,764
    Argentina
    Confirmados: 4,929,764
    Ativos: 254,491
    Recuperados: 4,569,552
    Óbitos: 105,721
  • Spain 4,447,044
    Spain
    Confirmados: 4,447,044
    Ativos: 654,358
    Recuperados: 3,711,200
    Óbitos: 81,486
  • Italy 4,350,028
    Italy
    Confirmados: 4,350,028
    Ativos: 87,285
    Recuperados: 4,134,680
    Óbitos: 128,063
  • Peru 2,111,393
    Peru
    Confirmados: 2,111,393
    Ativos: 1,915,040
    Recuperados: ?
    Óbitos: 196,353
  • Chile 1,615,771
    Chile
    Confirmados: 1,615,771
    Ativos: 9,831
    Recuperados: 1,570,492
    Óbitos: 35,448
  • Paraguay 452,388
    Paraguay
    Confirmados: 452,388
    Ativos: 17,376
    Recuperados: 420,031
    Óbitos: 14,981
  • Uruguay 381,517
    Uruguay
    Confirmados: 381,517
    Ativos: 2,072
    Recuperados: 373,481
    Óbitos: 5,964
  • China 93,005
    China
    Confirmados: 93,005
    Ativos: 1,022
    Recuperados: 87,347
    Óbitos: 4,636
Notícias

A testagem da Covid-19 é fundamental para monitoramento de infecções na pandemia.

A Plataforma de Diagnóstico para a Covid-19 da Fiocruz Bahia tem como prioridade pacientes provenientes de cidades com menor acesso a laboratórios de diagnósticos e populações em situação de vulnerabilidade social. Até o momento, a instituição tem recebido amostras de pacientes atendidos em postos de saúde dos municípios de Salvador e Irecê, bem como de populações indígenas e comunidades quilombolas da Bahia. Uma das ações estratégicas da plataforma é realizar testagens semanais dos funcionários e colaboradores da própria instituição que precisam manter atividades presenciais. 

O teste molecular realizado na Plataforma de Diagnóstico, chamado de Transcrição Reversa seguida de Reação em Cadeia da Polimerase (RT-qPCR), identifica o RNA do vírus através do swab nasofaríngeo, sendo uma das técnicas de diagnóstico mais confiáveis. A testagem da Covid-19 é fundamental para a implementação de medidas de vigilância sanitária, bem como para monitoramento e controle da infecção durante a pandemia. Desde que começou a funcionar, em julho, foram realizados mais de 7.600 testes para detecção do novo coronavírus. A estrutura tem capacidade para realizar 200 testes por dia e está liberando os resultados em até 48h. A meta é chegar a 50 mil testes nos próximos 6 meses. 

Em breve, a estrutura receberá um robô de automação, disponibilizado pela Fiocruz. Segundo o pesquisador da Fiocruz Bahia e coordenador da Plataforma, Ricardo Khouri, o uso do robô de automação ampliará a capacidade de testagem da Plataforma. “A automatização dessa parte do processamento da amostra vai possibilitar um trabalho mais eficiente, com mais segurança, menos exposição e de forma mais rápida”, explicou.

O teste RT-qPCR identifica o RNA do vírus através do swab nasofaríngeo.

Atualmente, trabalham presencialmente um grupo de profissionais que realiza o recebimento, o pré-processamento e a extração do material genético viral das amostras, além da preparação e execução das reações de RT-qPCR. Há também uma equipe que trabalha remotamente na análise e liberação dos laudos, após o processamento e obtenção dos resultados das amostras. O trabalho remoto é possível graças a um sistema on-line desenvolvido por um grupo de pesquisadores da Fiocruz Bahia especialmente para esse projeto. 

As equipes são compostas por alunos de mestrado, doutorado e pós-doutorado que se voluntariaram para participar e foram selecionados de acordo com as habilidades em biologia molecular. A seleção da equipe atraiu um número grande de pessoas que desejavam participar da iniciativa tendo em vista a importância do contexto histórico de enfrentamento das consequências da pandemia para a saúde pública. “Nós tivemos vários voluntários interessados em participar, mas recrutamos aqueles que possuíam experiência prévia nos métodos aplicados para o diagnóstico do coronavírus”, explica Clarissa Gurgel, pesquisadora da Fiocruz Bahia e integrante da coordenação da plataforma. 

A implementação da Plataforma de Diagnóstico para Covid-19 na Fiocruz Bahia foi consolidada por meio de cooperação com Distritos Sanitários Especiais Indígenas da Bahia (DSEI/BA), o Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN/BA), a Secretaria Estadual de Saúde da Bahia (SESAB) e a Prefeitura de Salvador, em consonância com a Coordenação de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde e a Coordenação de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz. Os kits para diagnóstico são desenvolvidos pelos institutos de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), no Rio de Janeiro, e de Biologia Molecular do Paraná (IBMP).

Implementação 

O projeto de testagem para Covid-19 surgiu a partir do desejo dos pesquisadores em colaborar com o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, diante da emergência em saúde pública. Há diversas possibilidades de atuação para pesquisadores, como no desenvolvimento de vacinas ou ensaios clínicos para teste de medicamentos. O núcleo da Fiocruz Bahia optou por desenvolver uma plataforma que auxiliasse os órgãos de saúde pública na tomada de decisões sobre o combate à Covid-19. “Essa foi a maneira que encontramos de contribuir com uma ação concreta, produzindo diagnósticos e gerando informação sobre a situação, de modo a retribuir à sociedade o investimento que foi feito na nossa formação como cientistas e cidadãos solidários”, explica Khouri.

Na coordenação de biossegurança do projeto, o pesquisador da Fiocruz Bahia, Leonardo Paiva, comenta sobre as precauções para garantir a segurança de todos os participantes. Como referência, foram usadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC/ EUA), além de trabalhos publicados recentemente, bem como a troca de informações com outros institutos que estavam realizando a testagem. “Nós não possuíamos muito a nosso favor, a não ser o desejo de ajudar as pessoas, ao ver a angústia de muitas delas em estar em um hospital sem conseguir fazer testagem”, afirmou Paiva. 

A equipe é formada por pesquisadores e profissionais da saúde voluntários, que são alunos de mestrado, doutorado e pós-doutorado da Fiocruz Bahia.

Para Clarissa Gurgel, foi a união dos esforços de cada pesquisador e pessoas envolvidas no projeto que o tornou viável, juntando as experiências de cada um. “Todo mundo entendeu essa necessidade e a vocação que a gente tem, aqui na Fiocruz, de ser pesquisador em saúde pública. É isso que nós somos e precisamos atender a essa demanda em saúde pública”, acrescentou a pesquisadora. 

O pesquisador da Fiocruz Bahia, Bruno Bezerril, integrante do projeto, destacou o modelo de gestão da plataforma e considerou como inovador o desenvolvimento de ferramentas de rastreabilidade de amostras e de documentação de processos e resultados em tempo real, que pode ser visualizado utilizando uma interface fácil e didática. “Em um curto espaço de tempo a equipe responsável pela implementação da plataforma montou uma infraestrutura de alta qualidade, com dedicação de espaço exclusivo, mobilização de equipamentos, insumos e de pessoal, para possibilitar atividades obedecendo elevados padrões de boas práticas de laboratório no contexto da testagem da Covid-19”, declarou.

Pesquisadores integrantes do grupo que implementou a plataforma de diagnóstico tiveram projetos de otimização de diagnóstico para Covid-19 aprovados em edital do Programa Inova Fiocruz. A ideia é que esse diagnóstico otimizado seja disponibilizado para que os serviços de saúde possam ter acesso a exames moleculares sem precisar de uma infraestrutura mais complexa. “Queremos desenvolver um teste que possa ser aplicado no leito do paciente, de forma rápida”, explicou o autor de uma das propostas e pesquisador da Fiocruz Bahia, Bruno Solano, que também integra a plataforma.